TROVADOR DAS ALTEROSAS

PROSA E VERSO

Áudios

SANSÃO E DALILA
Data: 03/05/2017
Créditos:
LETRA E MUSICA DE VALDEMIRO MENDONÇA "TROVADOR DAS ALTEROSAS"
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



ÁUDIO NO FINAL DO TEXTO

CUIDADO SANSÃO


Cuidado Sansão
Que Dalila lhe trai!



 
- Ô Sansãozinho bonitinho do meu coração.

Conta para Dalila, de onde sua força vem?

- Aqui... Ocê me adiscurpa docinho de limão,

Donde ta minha força num conto a ninguém!

Se não contar eu faço um drama,

E pra começar:

Fora da minha cama!

- Ah Dalila deixa estar

Ocê num me ama...

Eu doido pra casar

Ocê me joga na lama.

- Ô Sansãozinho, docinho de coco com jirimum.

Se me ama, conta pra Dalilinha o seu segredo?

- Ocê vai perdoar eu não conto de jeito nenhum,

Nunca vou contar que é na unha do meu dedo!

- Ah Sansão idiota

Encheu o rabo de vinho,

Dormiu mais cedo

Amarrei você bobinho,

No meu enredo

Cortei bem no toquinho

A unha do seu dedo.

- Pronto arrebentei as cordas, oh Dalila traidora.

Eu que pensei que ocê me amava muié marváda,


- Ô Sansãozinho perdoa sua amante encantadora,

Só estava tentando saber se eu era mesmo amada.

Fala a verdade meu fortão

Como você fica fraco?

Conta para sua gostosa,

-Ô Dalila ocê enche o saco,

Eta muié tinhosa!

Tripa meio seca me amarrou viro um caco!

Êta vaca filisteia, cachorra, vadia, muié bandida!

Pensou que ia falar a verdade, deixar ocê me ferrar?

Ô Sansãozinho perdoa essa sua Dalilinha tão fingida.

É que eu quero saber o quanto você pode me amar.

Conta Sansão,

Como pode ser derrotado?

Conta meu gostosão

Meu bife mal passado.

- Êta danação!

Corda nova amarrou to lascado!

- Sansão, filho de um jumento com vaca marinha.

Você mentiu outra vez, meu amante insensível!-

Vai conta tudo, fala no ouvido da sua Dalilinha,

O que lhe dá essa força, que o faz tão invencível?

- Está certo vou contar,

Ô desmazelo!

Quem quiser me derrotar,

É só cortar o meu cabelo!

De manhã ao acordar o pesadelo!

Amarrado, ele ouviu de Dalila a gargalhada,

-Força idiota, agora você é um mero ratinho!

Guardas, batam, cubram Sansão de pancada!

Socos, pontapés, furem os olhos devagarzinho.

O herói acabado, a prisão!

O ocaso do derrotado...

Mas sob a máscara da punição,

Esquecido cresce enrolado, o perdão.

Tempo de colheita de regozijo, tempo de festejar,

- tragam o prisioneiro, vamos zombar de Sansão.

Correntes nos pulsos e nas pilastras pra segurar!

Um grito, um terremoto, o fim com a destruição.

- Foge Dalila leve o pote

Cheio de prata;

E tudo o que ela comprou,

Vá Dalila tente a sorte;

Ele não mata,

A quem tanto amou.

Pedras que caem, gente que corre sem direção.

O medo da morte, a morte que chega e o terror.

Um grito de Dalila, a voz que implora proteção,

Morre junto ao herói, que morreu por seu amor.
FIM
Trovador
Setembro de 2006
Enviado por Trovador das Alterosas em 03/05/2017

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras